O que estudar para o concurso do IBGE? Veja os assuntos mais cobrados

O edital foi solicitado para 1.800 vagas, sendo 1.200 de nível técnico e 600 para analista.

Após a notícia de que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística prevê a contratação de 1800 servidores para 2019, buscas de como estudar para o concurso do IBGE tornam-se cada vez mais recorrentes. O último certame foi realizado em 2016.

Saiba o que estudar para o concurso do IBGE

O concurso do IBGE reserva 1800 vagas de nível médio e superior. (Foto: Divulgação).

De acordo com o diretor da ASSIBGE (órgão sindical da instituição) Paulo Lindsay, o grande número de aposentadorias cobra uma renovação do quadro de funcionários para a realização de novos censos.

E para conferir quais assuntos podem cair nesse certame, separamos os principais temas de acordo com as últimas provas de nível técnico e superior.

Antes de saber o que estudar para o concurso do IBGE, confira informações sobre o edital

Embora o edital do concurso do IBGE 2018 não tenha sido divulgado, é esperado que os cargos sejam para técnico, analista e tecnologista. A remuneração estimada para todos eles é tentadora e faz com que qualquer concurseiro considere a hipótese de se candidatar à uma vaga.

Isso porque, só para o cargo de nível técnico do IBGE, é previsto um salário inicial de R$ 3.471,85, que pode chegar a R$ 5.011,01. Para os analistas e tecnologistas, os rendimentos iniciais totalizam em R$ 7.373, com perspectivas de alcançarem até R$ 9.107,88.

Fora as remunerações, outro diferencial são os benefícios ofertados a todas as vagas. O candidato aprovado no certame contemplará um auxílio-alimentação no valor de R$ 373,00 e plano de saúde (médico e odontológico), que pode variar entre R$ 82,83 e R$ 167,70, de acordo com remuneração e idade do servidor.

E aí?  Essas informações despertaram o seu interesse?  Se a resposta for sim, veja a seguir um pouco mais sobre as atribuições dos cargos ofertados!

Confira mais detalhes sobre os cargos do IBGE

Assim como as provas variam de acordo com cada cargo ofertado, outra diferença é em relação às atribuições previstas, uma vez que as vagas que prezam pela integridade e funcionamento do Instituto de Geografia e Estatística tendem a ter diferentes funcionalidades.

Por isso, separamos abaixo cada uma delas, com suas  respectivas obrigações:

Técnico de Nível Médio deverá atender as seguintes atribuições:

  • Coletar dados de diferentes fontes, planejar, organizar, criticar, corrigir, lançar, tratar e manter a fim de garantir a sua integridade, confidencialidade, disponibilidade, atualização e fidedignidade;
  • Realizar entrevistas em domicílios e estabelecimentos informantes, para obtenção de dados, conforme metodologia e plano de supervisão da pesquisa;
  • Realizar levantamentos topográficos/geográficos/cartográficos com o objetivo de manter atualizada a base territorial dos municípios;
  • Realizar a montagem e organização dos elementos cartográficos, respeitando as especificações e normas adotadas;
  • Apoiar e executar as tarefas, relacionadas à manutenção e atualização da rede física dos marcos geodésicos do IBGE; entre outras funções.

Analista de Planejamento deverá atender as seguintes atribuições:

  • Para este cargo as funções administrativas têm como objetivo reunir e Gestão de Infraestrutura em Informações Geográficas e Estatísticas, a fim de proporcionar o pleno exercício das  competências institucionais e legais do IBGE.

Por ser uma vaga de nível superior, ou seja, para aqueles formados em algum curso superior, provavelmente, os cursos exigidos serão os de Análise de Sistemas, Auditoria, Ciências Contábeis, Design, Engenharia, Comunicação, Recursos Humanos, entre outros

Tecnologista em Informações Geográficas e Estatísticas deverá atender as seguintes atribuições:

  • Neste cargo de nível médio, as funções relacionam-se as produções especializadas, que visam à disseminação de dados, como informações de natureza estatística, geográfica, cartografia, ambiental e geodésica.

Saiba o que estudar para o concurso do IBGE

O edital do concurso do IBGE 2018 ainda espera aprovação, mas isso não significa que a sua preparação deva começar apenas quando ele for publicado.

Logo, para garantir um bom desempenho nas vagas que garantem estabilidade empregatícia, a melhor forma de começar os estudos é através dos assuntos cobrados no último certame.

Cargo de nível técnico e superior

Língua Portuguesa/ nível técnico e superior:

Dentre as melhores dicas de como estudar português para concursos, interpretar um texto do jeito certo e dominar as regras gramaticais são as principais.

Como esse dois assuntos são fragmentados em diversas matérias, o bom mesmo é se atentar as suas divisões. Tanto para o nível técnico quanto superior, os temas cobrados serão os mesmos, sendo eles:

  • Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário e não literário, narrativo, descritivo e argumentativo); interpretação e organização interna.
  • Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; emprego de tempos e modos verbais no português e campos semânticos;
  • Morfologia: reconhecimento, emprego e sentido das classes gramaticais; processos de formação de palavras; mecanismos de flexão dos nomes e verbos.
  • Sintaxe: frase, oração e período; termos da oração; processos de coordenação e subordinação; concordância nominal e verbal; transitividade e regência de nomes e verbos; padrões gerais de colocação pronominal no português; mecanismos de coesão textual; ortografia, acentuação gráfica; emprego do sinal indicativo de crase e demais pontuações.
  • Estilística: figuras de linguagem. Reescrita de frases: substituição, deslocamento, paralelismo; variação linguística: norma culta.

Geografia/nível técnico

A matéria de Geografia é cobrada apenas para o cargo de nível técnico. Isso porque, as funções desse ofício estão relacionadas ao levantamento de dados topográficos, geográficos e cartográficos.

Por esse motivo, o embasamento teórico é indispensável para as atribuições do aprovado.  Abaixo confira os temas mais importantes:

  • Noções básicas de cartografia: Orientação: pontos cardeais; Localização: coordenadas geográficas, como latitude, longitude e altitude; Representação: leitura, escala, legendas e convenções.
  • Natureza e meio ambiente no Brasil: Grandes domínios climáticos; Ecossistemas. As atividades econômicas e a organização do espaço:
  • Espaço agrário: modernização e conflitos;
  • Espaço urbano: atividades econômicas; rede urbana e as regiões metropolitanas; emprego e pobreza.
  • Formação Territorial e Divisão Político-Administrativa: Divisão Político Administrativa; Organização federativa. Dinâmica da população brasileira (fluxos migratórios, áreas de crescimento e de perda populacional).

Matemática/ nível técnico e superior:

Tanto para os cargos de técnico como o de analista, a matéria de matemática se faz essencial nas funções administrativas.

Assim como a disciplina de Língua Portuguesa, os temas estudados nos dois certames serão os mesmos. Sendo eles:

  • Conjuntos: operações e problemas com conjuntos. Conjuntos dos números, inteiros, racionais, naturais, reais e suas operações. Representação na reta.
  • Unidades de medida: distância, massa, tempo, área, volume e capacidade.
  • Álgebra: produtos notáveis, equações, sistemas e problemas do primeiro grau, inequações, equação e problemas do segundo grau. Porcentagem e proporcionalidade direta e inversa. Juros e noções de matemática financeira. Problemas de raciocínio. Sequências, reconhecimento de padrões, progressões aritmética e geométrica.
  • Geometria plana: distâncias e ângulos, polígonos, circunferência, perímetro e área. Semelhança e relações métricas no triângulo retângulo.
  • Geometria espacial: poliedros, prismas e pirâmides, cilindro, cone e esfera, áreas e volumes.
  • Matemática discreta: princípios de contagem, noção de probabilidade, noções de estatística, gráficos e medidas.

Língua inglesa/nível superior:

A matéria de língua inglesa é cobrada apenas nas provas de nível superior, ou seja, para os cargos de analista e tecnologista. Em relação aos assuntos cobrados, serão eles:

  • Língua Inglesa Estratégias de Leitura: compreensão geral; reconhecimento de informações específicas; capacidade de análise e síntese; inferência e predição; reconhecimento do vocabulário mais frequente em quaisquer tipos de textos; cognatos e falsos cognatos; função retórica; uso de metáfora.
  • Estratégias discursivas: compreensão de partes específicas de textos de diferentes gêneros; função e estrutura discursiva; marcadores de discurso; elementos de coesão e coerência.
  • Aspectos lexicais: reconhecimento do vocabulário mais frequente em diferentes tipos de textos; cognatos e falsos cognatos; expressões idiomáticas; sinonímia e antonímia.
  • Aspectos gramaticais: uso de artigos definidos e indefinidos; tempos e modos verbais; uso de preposições, conjunções e pronomes e modais; comparação; concordância nominal e verbal; formação e classe de palavras; relações de subordinação e coordenação; voz passiva, discurso direto e indireto.

Raciocínio Lógico quantitativo/nível superior:

O raciocínio lógico quantitativo tem como objetivo preparar o candidato para análise estatística de dados, recorrentes no exercício de sua função.

Isso porque, basicamente, o IBGE é uma instituição voltada para o levantamento de censos que oferecem uma visão completa sobre os níveis de desenvolvimento do Brasil.

Por conta disso, para que utilizações de dados sejam apresentadas corretamente em tabelas e gráficos, é preciso ter o conhecimento dos seguintes temas:

  • Noções básicas de lógica: conectivos, tautologia e contradições, implicações e equivalências, afirmações e negações, silogismos, lógica da argumentação, diagramas lógicos.
  • Estrutura lógica de relações: levantamento de dados referente a pessoas, lugares, objetos e eventos, a fim de deduzir informações a partir de outras apresentadas.
  • Métodos Quantitativos: estatística descritiva e análise exploratória de dados, como média, mediana, quartis, variância, desvio padrão, coeficiente de variação, histograma.
  • Números índices e medidas de concentração: conceitos fundamentais e aplicações básicas.
  • Probabilidade: definições básicas e conceitos, regras de probabilidade, distribuições binomial e normal.
  • Inferência estatística: métodos de estimação pontual, propriedades dos estimadores, estimação por intervalos, testes de hipóteses simples.

Conteúdos específicos/ nível técnico

Para o cargo de nível técnico as questões específicas, que no último certame totalizaram em 35 perguntas, cobraram os as seguintes noções:

  • Informações sobre a Instituição, conceitos básicos para o desenvolvimento do trabalho na Agência e da atividade do Técnico de Coleta

Conteúdos específicos/nível superior:

O conteúdo específico para nível superior tende a variar de acordo com a especialidade do analista e tecnologista. Dessa forma, como o edital contará com oportunidades voltadas para diferentes formações, é importante saber os assuntos teóricos dos seguintes ofícios:

  • Análise de Sistemas;
  • Desenvolvimento de Aplicações – Web Mobile;
  • Análise de Sistemas;
  • Desenvolvimento de Sistemas;
  • Suporte Operacional;
  • Análise em Biodiversidade;
  • Auditoria;
  • Biblioteconomia;
  • Ciências Contábeis;
  • Design Instrucional;
  • Economia;
  • Educação Corporativa;
  • Engenharia Agronômica;
  • Engenharia Cartográfica;
  • Engenharia Civil;
  • Engenharia Florestal;
  • Estatística;
  • Geografia;
  • Geoprocessamento,
  • Jornalismo/Redes Sociais;
  • Orçamento e Finanças;
  • Planejamento e Gestão;
  • Processos Administrativos Disciplinares;
  • ProgramaçãoVisual/Webdesign;
  • Recursos Humanos – Administração de Pessoal;
  • Recursos Humanos – Desenvolvimento de Pessoas e Recursos Materiais e Logística.

Agora ficou mais fácil construir aquele mapa mental, que facilita na preparação para concursos públicos e assim estudar para o concurso do IBGE.

Como foi a último concurso do IBGE?

No último certame, realizado em 2016, a prova foi contemplada por 60 questões objetivas para as vagas de nível técnico; 60 para analista de sistemas e 70 para os cargos de analista e tecnologista.

Vale ressaltar que neste mesmo ano houveram provas discursivas e práticas. As discursivas foram realizadas pelos candidatos que pleiteavam uma aprovação para analista, com foco em análise e desenvolvimento e de sistemas.

As práticas foram destinadas aos cargos de analista, voltados para design institucional, tecnologista, programação visual e web design. Para tais funções, é necessário avaliar as habilidades dos candidatos de acordo com os softwares utilizados.

Em relação aprovação, o desempenho dos candidatos deverá resultar nas seguintes notas:

  • Superior a 10,00 pontos, na prova objetiva de Conhecimentos Básicos;
  • Superior a 21,00 pontos na prova objetiva de Conhecimentos Específico;
  • Superior a 36,00 pontos no conjunto das provas.

Agora que você já sabe como estudar para o concurso do IBGE, vai se arriscar nesse certame? Compartilhe com a gente a sua opinião e fique por dentro deste portal!

Comente